sexta-feira, 27 de março de 2015

Sobre pausas e lazeres


Após semanas sem me dedicar ao teclado para a produção de textos que outras pessoas possivelmente leriam, venho aqui nesta tarde quente de uma singela sexta-feira explicar-me. Dentre outras coisas estive definindo prioridades em minha vida. Pacata como só ela seria, se mostrou conturbada e cheia de compromissos inadiáveis. Os estudos começaram de forma intensa e nada os tornam mais relaxantes, eles deveriam vir bruscos, quase como um tapa para acordar-me da realidade em que eu estava perdida: o mundo não é um conto de fadas.

Acredito agora que a frequência de postagens aqui neste espaço irá diminuir, mas também será ampliada. Sempre quis escrever um pouco mais sobre a minha vida, minhas perspectivas e minhas vivências. Acredito que agora estou pronta para tais experiências.

Gostaria profundamente de dedicar 24h do meu dia ao blog e ao canal, mas infelizmente não posso. Antes de ter o sonho de ser blogueira, tenho o sonho de cursar uma faculdade, entrar no mercado de trabalho e ter uma carreira bem-sucedida nesta área. Então eu estou estudando arduamente, todos os dias, aproximadamente 1h, com aulas que chegam a durar 6h. Tento ler os livros que me agradam, pelo menos um capítulo por dia e também penso no futuro do Ela escreveu.

Vai acabar? Não! Vou continuar postando com a mesma frequência que pretendia (1 a 3 publicações por semana) e os vídeos continuarão indo ao ar também (1 vez por semana). Não quero que me julguem, mas o que a internet sem as pessoas para dar os seus pitacos cotidianos? Quero que compreendam o que se passa na minha vida, porque antes de tudo, este espaço foi criado para compartilhar com o mundo o que eu passo por ela.

Busco lazer em pequenas coisas: pausa pro lanche, horário de ensaios do violino, ensaios do Flash Mob... e agora, à escrita de coisas que vão além de tudo o que eu já publiquei aqui. Meu sonho sempre foi escrever sobre comportamento. Sempre gostei de ler sobre e agora acredito que estou pronta para escrever sobre. Se você leu até aqui, muito obrigada pela compreensão, é graças a você que o que eu faço vale a pena.

Eu continuo nas redes sociais (entro uma vez por dia), caso queira me contactar. Ainda aceito parcerias com autores, quer divulgar o seu livro? Entre em contato para fecharmos uma parceria de sucesso! E é claro eu não podia deixar de comentar que estou no Youtube, em dois canais diferentes: o do Ela escreveu e o Katitavlog.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Como eu vou ler Game of Thrones | Como ler livros GIGANTES!


Hoje é um vídeo muito especial! Aquele típico vídeo "tomei vergonha na cara"! Graças à genialidade de Tati Feltrin do TLT, vou ler de novo e dessa vez até o final As Crônicas de Gelo e Fogo. Confiram o meu vídeo onde eu falo mais sobre este projeto. Espero muito que vocês gostem da proposta e se inspirem para aquele livro que está na sua estante há um bom tempo. Vale também começar a ler dessa forma, caso você ainda não esteja familiarizado com o hábito de ler. 



Na verdade mesmo, a Tati lê um capítulo por semana, o que já é alguma coisa também, mas como ela tem que ler outros livros eu até entendo! Esse mecanismo é usado até pela minha mãe com os enormes livros de Faculdade que ela tem que ler, só que ela estipula 3 páginas por dia (livros acadêmicos devem ser lidos com calma e, na maioria das vezes, mais de uma vez) Vou falar mais sobre os livros nas atualizações mensais de leitura, não se esqueçam de se inscrever no canal para receber os próximos vídeos! Beijos e até a próxima!

sexta-feira, 6 de março de 2015

Leituras de Fevereiro 2015 | Vergonha define...



O mês de Fevereiro foi um dos meus piores meses de leitura #ShameOnMe. Minhas aulas no meu pré-vestibular começaram no dia 02/02, mas eu só consegui acessar às aulas uma semana depois, então eu perdi conteúdo e fiquei muito perdida. Então o meu foco em Fevereiro era me organizar com os meus estudos. "Mas teve carnaval!" E a única coisa que eu realmente consegui fazer no Carnaval, foi descansar. Eu não descansei pouco, descansei MUITO! E ainda tive que estudar às aulas que eu havia perdido que estavam sendo reprisadas.

A única parte bonita de Fevereiro foi que eu não comprei nenhum livro! Sim gente! Estou tão orgulhosa de mim mesma, nem acredito que não gastei nenhum centavo com livros. Enfim, chega de escrever e vamos ao vídeo onde eu falo das minhas leituras, espero que aproveitem!





Mundo Novo - Chris Weitz (Resenha)

A seleção - Kiera Cass (Resenha)

O Portal de Magmund - Marcos Baccarini (Resenha)

Orgulho e Preconceito - Jane Austen

segunda-feira, 2 de março de 2015

ElaLeu #17: Mundo Novo #01 - Chris Weitz | NÃO É UMA DISTOPIA!

Acompanhe o Ela escreveu nas redes sociais para saber em primeira mão quais são as minhas leituras! São todas @blogelaescreveu 

SINOPSE: Neste mundo novo, só restaram os adolescentes e a sobrevivência da humanidade está em suas mãos. Imagine uma Nova York em que animais selvagens vivem soltos no Central Park, a Grand Central Station virou um enorme mercado e há gangues inimigas por toda a parte. É nesse cenário que vivem Jeff e Donna, dois jovens sobreviventes da propagação de um vírus que dizimou toda a humanidade, menos os adolescentes. Forçados a deixar para trás a segurança de sua tribo para encontrar pistas que possam trazer respostas sobre o que aconteceu, Jeff, Donna e mais três amigos terão de desbravar um mundo totalmente novo. Enquanto isso, Jeff tenta criar coragem para se declarar para Donna, e a garota luta para entender seus próprios sentimentos - afinal, conforme os dias passam, a adolescência vai ficando para trás e a Doença está cada vez mais próxima.

Cada capítulo possui a visão de uma personagem de forma única. As fontes são diferentes para cada um. Donna é uma menina que apesar dos dois anos que se passaram após o apocalipse, ainda está muito abalada com os acontecimentos e sente muita falta do irmão caçula. Jefferson é asiático o que aumenta consideravelmente o meu nível de amor por ele. O garoto, que acabou de ter uma perda muito significativa, está apaixonado por Donna, mas ainda não se declarou. Ele é basicamente o líder da gangue da Washington Square. Confiram o meu vídeo, eu estava mais eufórica que o normal #sorry.






Crânio, o gênio do grupo. É o personagem mais misterioso e intrigante de todo o livro. É como se cada vez que ele falasse ou agisse, isso traria uma surpresa à trama. E Peter, o melhor amigo gay de Donna (o mais impressionante é que a homofobia de certa forma não existe mais, porque as pessoas estão ocupadas buscando sobreviver em vez de julgar uns aos outros). O mais divertido dos principais, ele traz um pouco de comédia ao mundo caótico mas também se mantém fiel à Deus, o que é mais irônico ainda.

O livro está repleto de referências de livros e autores. Além de objetos e artefatos. Fiquei muito contente por conhecer praticamente tudo que eles se referiam, quando Crânio citou Arduíno quase tive um treco! Mas, eu não indico para pessoas muito novas, há muitos palavrões e cenas obscenas.

Linguagem simples, rápida, descontraída e repleta de gírias. Mas isso não quer dizer que a leitura flui na mesma velocidade. Demorei consideravelmente para terminar o livro, principalmente porque ele é repleto de altos e baixos. Em um momento temos ação de forma espetacular e em outro temos as divagações dos personagens, que deixam a leitura um pouco parada.

O livro é repleto de surpresas e momentos que acontecem quando você menos imagina. Ao contrário do que muitas pessoas escreveram em suas resenhas, e me deixaram bem chateada, o livro é muito bom sim! As pessoas cometeram um erro, totalmente compreensível, e classificaram o livro como uma distopia, coisa que ele ainda está longe de ser. Vejamos aqui uma simples classificação de Distopia

"Em Filosofia, através da mesma raiz etimológica surge o termo distopia (ou antiutopia) como o oposto de utopia. A distopia é um pensamento filosófico que caracteriza uma sociedade imaginária controlada pelo Estado ou por outros meios extremos de opressão, criando condições de vida insuportáveis aos indivíduos. Normalmente tem como base a realidade da sociedade atual idealizada em condições extremas no futuro.
Alguns traços característicos da sociedade distópica são: poder político totalitário, mantido por uma minoria; privação extrema e desespero de um povo que tende a se tornar corruptível." - Fonte: www.significados.com.br
É claro que muitas pessoas ao terminar a leitura vão acreditar que ele possa se tornar uma Distopia. Mas no momento ele é apenas um livro pós-apocalíptico. Espero que tenham gostado e espero que vocês leiam esse livro que é lindíssimo, por dentro e por fora.